AprendizTec

RSS Feed desconhecido

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Cartilha Safernet

Safernet – Orientação para crianças e adolescentes

Nativos digitais são os professores do futuro

morgueFile free photo

Os nativos digitais nasceram na era da tecnologia e formam um grupo diferenciado de educadores que não temem o uso do computador na sala de aula.

Eles são jovens com até 30 anos de idade, cheios de vontade para aprender e compartilhar conhecimentos, também chamados de Geração Y.

Entrevistamos o jovem educador John Bertoldo que, com apenas 21 anos, leciona para jovens e adultos de comunidades carentes da periferia de São Paulo.

 

Qual a sua formação?

Fiz formação online (EAD) para a capacitaçao de Tutores para educação a distância. Sou Técnico em Informática (ETEC Abidias do Nascimento -Paraisópolis) e, em 2010 participei do curso para a capacitação em tecnologias educativas Aprendiz Digital.

Quais são seus principais desafios como educador?

Meu desafio é tornar as atividades atrativas, agradável ao aluno.

 Quais recursos tecnológicos você considera importante em suas atividades educativas?

Softwares de escritório são essenciais para se produzir projetos de qualidade, contanto com uma boa infraestrutura, com laboratório e recursos multimídia.

Quais são suas dificuldades no uso destes recursos tecnológicos?

Minha maior dificultade é manter o laboratório com os equipamentos sempre em bom estado de uso, no que se refere a parte física e lógica, ou seja, a manutenção é essencial.

Você já participou de cursos ou grupos de discussão que envolva o uso das tics na educação?

Sim, o Educador Digital. O projeto possibilitou a capacitação de qualidade para atuar na área da educação, com o uso das TICs.

 Complete a frase: ser educador em plena era da informação é….:

.. um grande desafio!. Pois as tecnologias mudam diariamente e a grande parte de sociedade não consegue acompanhar esses rápidos avanços. O que ocasiona a exclusão digital.

Deixe um recado para seus colegas de profissão:

Acompanhem seus alunos nessa nova era. Essa nova geração tem muitas qualidades a serem exploradas porém, precisamos de educadores para orientá-los nestes novos caminhos e, para isso, nós DEVEMOS sim estar atualizados e integrados neste mundo digital.

______________________________________________________________

SAIBA MAIS

Estou online e aprendo para ensinar

Brasil educando para o futuro

Professor, você está preparado para a educação 2.0?

Aviso importante: o mundo está menor, não em sua dimensão física, mas na dimensão tempo e espaço. Lembro-me bem, na década de 90,como eram as aulas: um quadro negro, giz de diversas cores, apagador, livros/apostilas, mesas organizadas em fila indiana e, claro, professor e aluno. Segundo o dicionário Michaelis, aluno (lat alumnu) é aquele que … Continuar lendo

Atenção Br@sil: Investir para educar, capacitar para ensinar

Diante do desafio de ensinar no século XXI, o Brasil está criando estratégias de ensino e aprendizagem diferenciadas, utilizando o computador como ferramenta complementar para estas mudanças. Em 2009 o Brasil iniciou o projeto PROUCA (Programa Um computador por Aluno) que, além de ter a finalidade de promover a inclusão digital é utilizado por professores … Continuar lendo

Estou online e aprendo para ensinar

Para a promoção de um ensino com qualidade, tendo o computador como ferramenta de aprendizagem, é necessário a capacitação dos seus principais envolvidos: os professores. O aumento do uso dos recursos tecnológicos cresce na medida em que governo federal tem investido na informatização das escolas públicas, com o intuito de promover a inclusão digital e … Continuar lendo

Crítica Construtiva

Neste primeiro semestre de 2012, como educadora, utilizando o computador como metodologia para o ensino e a aprendizagem, observei o quanto os educandos têm dificuldades em se expressar, colocar suas opiniões. Pensando em trabalhar esta dificuldade, iniciei o projeto Crítica Construtiva, que tem por objetivo desenvolver a habilidade de leitura e escrita crítica, utilizando as … Continuar lendo

O uso do Celular nas escolas

João Luís de Almeida Machado Doutor em Educação pela PUC-SP; Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP); Professor Universitário e Pesquisador; Autor do livro “Na Sala de Aula com a Sétima Arte – Aprendendo com o Cinema” (Editora Intersubjetiva).

O telefone celular é, certamente, uma das mais celebradas invenções da humanidade. Tornou-se objeto do desejo não apenas no sentido de termos acesso a um aparelho qualquer ou aos serviços a ele relacionados. A constante atualização de seu design e possibilidades técnicas (cada vez mais ampliadas) estimulada por acirrada competição entre empresas poderosas (Nokia, Motorola, Sony Ericsson, LG, Apple…) faz com que as pessoas, no mundo inteiro, troquem de aparelhos com enorme constância.

O uso dos celulares, no entanto, traz não apenas benefícios, mas em alguns casos, gera transtornos e dificuldades. Existe certa “ética” quanto ao uso do celular, que não é explícita, mas oculta e imperceptível, a orientar a maioria das pessoas.

Sabe-se, por exemplo, que em locais públicos, como cinemas ou teatros, é preciso desligar os celulares ou, na melhor das hipóteses, deixá-lo em modo de vibração, para que os demais presentes não sejam incomodados em caso de telefonema. É esperado que as pessoas ajam desta forma, mas nem sempre é o que acontece.

Outra “regra de ouro”, se assim as pudermos chamar, estipula que as pessoas devem utilizar seus celulares sempre de acordo com suas necessidades, sem exageros. Ainda assim, há muitos homens e mulheres que, até mesmo para exibir-se publicamente, ostentam seus modernos aparelhos, realizando o uso indiscriminado da telefonia celular a todo o momento, mesmo naqueles em que não há nenhuma aparente necessidade (ou seja, por motivos totalmente fúteis).

É certo também que existem leis, como aquelas relacionadas ao trânsito, que abertamente condenam o uso de aparelhos celulares pelos condutores de veículos. Estas leis preveem sanções, multas e até mesmo, com o acúmulo de pontos, a perda da carteira de motorista. Mas ande no trânsito em qualquer lugar do Brasil e perceba, ao seu redor, se os motoristas estão minimamente preocupados com sua segurança ou mesmo com as multas que a eles podem ser aplicadas quanto ao uso dos celulares…

O exagero no uso dos telefones celulares, além dos inconvenientes na vida cotidiana, tem ocasionado também problemas invisíveis a “olho nu”, ou seja, que precisariam de microscópios para serem detectados e tratados. Estas dificuldades vão além daquilo que pode ser considerado prejuízo no trânsito, nos cinemas, em locais de trabalho… Refere-se à overdose de informações e de ligação com o mundo (profissional ou pessoal). Tratam-se, portanto, de problemas que estão relacionados a stress, ansiedade, depressão e afins – de fundo psicológico e emocional.

O fato de estarmos “ligados” pelas Tecnologias de Informação e Comunicação, entre as quais temos que incluir os celulares, cada vez mais integrados a todas as redes, não apenas via telefonia, provoca ou estimula problemas psíquicos em todas as faixas etárias, inclusive crianças e adolescentes. É claro que não pode e nem deve ser considerado fator primordial e único para que isto aconteça, mas certamente contribui e reforça sintomas e dificuldades decorrentes de um todo, associado à velocidade e as cobranças cada vez mais acentuadas do mundo em que estamos vivendo.

Nas escolas não é diferente. Há os problemas relacionados à ética quanto ao uso de telefones celulares que, para princípio de conversa, deve começar com os profissionais que atuam nas escolas. Diretores, coordenadores, orientadores, funcionários em geral e, principalmente os professores, devem desligar seus aparelhos quando estiverem trabalhando ou, caso seja muito necessário e acordado com os demais colegas, manter em modo de vibração (silencioso) para que as mensagens e ligações fiquem em arquivo e depois possam ser respondidas.

Em sala de aula, especificamente, o toque de um celular, ainda mais com a variedade de músicas e demais estilos (muitos deles cômicos) pode atrapalhar consideravelmente o andamento das ações previstas pelo professor. Portanto, o exemplo começa com ele e, depois, deve ser combinado com os alunos, seguido das devidas explicações, ou seja, dos motivos que levam a escola (sim, a instituição e não apenas o indivíduo, o profissional) a pedir aos alunos que deixem seus celulares desativados durante o dia de atividades educacionais.

Isto, certamente, inclui a questão do envio de torpedos com mensagens de texto. Esta prática, ainda que silenciosa, tira o foco dos alunos e pode, em muitos momentos, ser utilizada para fins indevidos, como passar respostas em provas ou testes…

Na hora do intervalo, na mudança de professores (período entre uma aula e outra), daí sim é possível que alunos e professores examinem seus celulares para verificar se há mensagens importantes ou telefonemas de retorno necessário. Ainda assim, cabe lembrar que isto não deve se tornar uma “neurose”, ou seja, não devemos nos tornar escravos do aparelho e dos serviços, tendo que a toda hora conferir as mensagens (como já foi detectado, por exemplo, com as pessoas que trabalham muitas horas por dia diante do computador e que se sentem compelidas a ver e-mails, atender comunicadores instantâneos, responder mensagens no Twitter…).

No caso das salas de aula, por outro lado, diferentemente do que se pensa, os celulares não precisam ser vistos apenas como problemas ou dificuldades. Além de canais de comunicação com as famílias e os amigos, ou mesmo entre a escola e os alunos, estes aparelhos podem ainda se tornar elementos de aprendizagem, incluídos em projetos educacionais.

As peculiaridades destes equipamentos, cada vez mais equipados, contando com recursos como câmeras (que fotografam e filmam com boa qualidade de som e imagem), gravadores de áudio, calendários, comunicadores instantâneos (envio de torpedos), calculadoras e tantos outras ferramentas – possibilitam a criação de projetos e ações pedagógicas que não podem e nem devem ser desprezadas.

Entrevistas, criação de banco de imagens, gravação de minidocumentários, elemento de comunicação entre alunos e dos estudantes com os professores, envio de mensagens sobre dúvidas e avaliações, utilização de agendas dos celulares para organização da vida escolar… São algumas das possibilidades de trabalho com o celular em sala de aula. Há inúmeras outras que podem ser pensadas e criadas pelos professores, se transformando em projetos que, com certeza, serão bastante atraentes aos olhos dos alunos!

Neste sentido, chegamos à conclusão de que, ao mesmo tempo em que o celular deve sofrer algumas restrições de uso nas escolas, tanto para permitir um melhor andamento das ações pedagógicas quanto para “desligar” um pouco os alunos do ritmo frenético em que vivemos, é possível tornar este equipamento, tão popular e acessível, igualmente num elemento de trabalho educacional com a criação de projetos que o incluam como ferramenta de pesquisa e produção. Então, que assim seja!

Link da reportagem: planetaeducação

VER TV É ATIVIDADE PREFERIDA PELO BRASILEIRO NO TEMPO LIVRE

EBC – Agência Brasil Brasília – O índice de brasileiros que prefere ler no seu tempo livre caiu de 36% entre 2007 para 28% em 2011. É o que aponta a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada hoje (28) pelo Instituto Pró-Livro. O estudo tem como objetivo identificar os hábitos e as preferências dos … Continuar lendo

Posts por data

dezembro 2016
D S T Q Q S S
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031